2013-05-22

Idéias baratas de um governo medíocre


Como criar um assassino com uma arma de dez toneladas? Simples! Diga a um motorista de caminhão que ele só tem vinte minutos para cruzar a cidade senão será multado no horário de rodízio.

Dia desses eu estava na Marginal do Tietê indo pra casa e quase fui jogado no rio por uma carreta que me fechou a mais ou menos uns 100km/h. Eram quase 17:00 e iria começar o horário de restrição a caminhões. Visivelmente o objetivo desta carreta era a Rodovia Dutra e o horário estava se esvaindo.

Inicialmente eu fiquei assustado com a atitude do caminhoneiro mas como não queria ter que usar o lamentável sistema de transporte público, imediatamente reduzi a velocidade afim de evitar a participação em um possível acidente e alternei para a pista central com quase certeza que veria de camarote uma cena de cinema. Só o que vi foi a carreta ao longe subindo a ponte da Dutra, por sorte.

Passados os dias desse fato que eu andei percebendo que muita gente faz o mesmo! Caí na real quando percebi que inconscientemente eu comecei a parar nos postos de gasolina do caminho sempre que o trânsito se torna uma arena de buzinas e atitudes neandertais. É sempre assim: uns quarenta minutos parado (nesse tempo assisto um jornal na TV do posto) e a coisa acalma. Todos os dias pessoas viram gladiadores no trânsito justamente para evitar uma multa de rodízio.

Realmente é uma lei estranha. O cidadão compra seu veículo (nesse caso para trabalhar e sustentar a família) e com ele vem o IPVA para poder usá-lo os sete dias da semana mas aí vem a prefeitura e, no caso dos automóveis, e tira um sétimo desse direito sem nenhum abatimento no IPVA e muito menos lhe dá uma condição de trabalho suplementar no caso dos caminhões que possuem restrição todos os dias.

Não sei até que ponto a prefeitura sabe desse efeito colateral mas como sempre, a lei é feita sem a menor condição de ser cumprida e o cidadão que tem que se virar como consegue para não ser punido por uma culpa que não é dele.

Me lembra um pouco a CPMF... será que essa lei também cairá por terra?



Nenhum comentário: